NEW ARRIVALS

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur.

Shop Now!

Your shopping cart is empty!

GRYPHUS GEEK

MINHA BOLA, MINHA VIDA, de Nilton Santos

MINHA BOLA, MINHA VIDA, de Nilton Santos
Brand: Gryphus Editora - Catálogo Geral
Product Code: Impresso
Availability: In Stock
Price: R$ 44.90
Qty:  

No país do futebol, os atacantes são as estrelas, mas foi Nilton Santos quem brilhou na defesa e inverteu os holofotes. Eleito em 2000 pela FIFA o melhor lateral-esquerdo de todos os tempos, o zagueiro repassou na autobiografia Minha bola, minha vida as lendárias campanhas pelo Botafogo, a parceria dentro e fora dos campos com Garrincha, as quatro Copas do Mundo disputadas e, claro, o bicampeonato (1958, na Suécia, e 1962, no Chile). Morto em novembro de 2013, o livro acaba de ganhar uma 2ª edição atualizada pela Gryphus Editora.

O jogador, ao revolucionar o papel da defesa nos campos brasileiros, entrou definitivamente para hall dos grandes jogadores do mundo. Logo nas primeiras páginas do livro, são os colegas e amigos do esporte quem homenageiam o lateral-esquerdo em uma sequência de depoimentos. Segundo Bellini, capitão da Seleção Brasileira em 1958, Santos foi “um dos maiores laterais-esquerdo do mundo, senão o melhor”. Já Gérson, o Canhotinha de Ouro, destaca o papel do amigo e mestre, com quem jogou pelo Botafogo.

 O domínio completo do ofício levou o zagueiro a ser conhecido como a “enciclopédia do futebol”. Não é para menos, o lateral-esquerdo foi o que se pode chamar de um jogador completo. Ou como definiu o jornalista Armando Nogueira, que assina o prefácio da edição, Santos “driblava bem, passava melhor ainda”. E o segredo, como o próprio lateral-esquerdo veio a confessar posteriormente, era ser amigo de infância da bola.

Recordista de partidas pelo Botafogo (foram 718 jogos disputados entre 1949 e 65), Nilton Santos dedica boa parte do livro para rememorar a trajetória pelo Alvinegro. Recorda os personagens folclóricos – como Ximbica, Neném Prancha, Anísio Babão e Arrepiado – os principais treinadores, entre eles João Saldanha e Gentil Cardoso, e os maiores atletas que viu jogar.

 Ao companheiro de time e amigo pessoal, Mané Garrincha, Santos dedica um capítulo à parte, em que enaltece a genialidade do ponta-direita mais célebre da história, expoente do futebol-arte, como também aborda o problema com o alcoolismo, responsável por sua morte precoce. A proximidade com o craque dentro e fora dos campos permitiu a Nilton Santos ter acesso privilegiado ao drama de Garrincha. E esse é o tom que prevalece no livro, como no trecho em que descreve o sentimento com a perda do jogador: “Assim era o Garrincha; ingênuo, uma criança sem maldade. E assim ele se foi, mas continuará sempre para nós, os fãs, ‘a Alegria do Povo’.”.

O zagueiro foi testemunha da profissionalização do esporte no Brasil e viu a seleção ganhar notoriedade internacional até se tornar o principal símbolo de projeção do país. Mas não sem antes amargar as derrotas em 1950, jogando no Brasil, e em 1954, na Suíça. O jogador recorda, por exemplo, a tragédia na final da Copa de 1950 contra o Uruguai no Maracanã e a define como um mal que veio para o bem. A vitória inédita em um mundial só viria na Suécia em 1958, ano-chave para o que denomina o início do período de ouro do futebol brasileiro. E que voltaria a se repetir em 1962. Santos jogou pela seleção nas quatro ocasiões.

Criado nas peladas da Ilha do Governador, Rio de Janeiro, o jogador soube como poucos afastar o perigo da pequena área. Começou a jogar como ponta-esquerda. O encontro com Carlito Rocha, o bruxo alvinegro, definiu a mudança para a zaga no time carioca; e foi místico do futebol botafoguense quem profetizou: “na defesa, você será campeão carioca, campeão do mundo”. A história veio para confirmar a profecia.

Características
Ano de publicação 2014
Autor NILTON SANTOS
ISBN 9788583110187
Páginas 230

Write a review

Your Name:


Your Review: Note: HTML is not translated!

Rating: Bad           Good

Enter the code in the box below: